Este é o lugar a cuja sombra se podem abrigar todos os que conhecem, ou querem conhecer, meus pseudônimos literários. Na alvenaria caiada deste muro, podem-se-lhes pichar as impressões, elogios, reproches ou análises decorrentes da apreciação do vinho em cuja lagar mourejam meus esopos. Aos chegados meus, a coisa vai além: este muro arremata a esquina da vida onde eu e eles confabulamos, palestramos, discursamos e segredamos.

Tags: cultura
22/04/2007 01:09
De: Joaquim Eugênio Borba Passos. (professormarcoroberto@uol.com.br)
IP: 201.67.51.135

Uma Proposta de Leitura a Quem Tenha Espectado os Dois Volumes de Kill Bill.

Amigalhões:
Há pouco, a rede Globo apresentou a seus telespectadores o segundo volume de Kill Bill; no último sábado, apresentara o primeiro. Proponho a quem tenha espectado essa obra, nessa oportunidade ou noutra, a leitura de uma crítica que Eugênio Passos fez a essa obra de Tarantino.
Se não assististes a esses filmes, e, não obstante, tendes o desejo de ler o texto (chama-se "Sede Inapelável de Matar, Desejo Desesperado de Viver"), far-me-eis muito grato.
Eis o endereço da página (pertence ao "blog" do Eugênio, o "Uma Bacanal em Cafarnaum"):
http://professormarcoroberto.blog.terra.com.br/?s=Sede+de+Matar&sentence=AND.
Boa leitura, se vos apetecer aumentar o Ibope do bom Eugênio.
Um abraço do amigalhão,
JEBP.
25/04/2007 10:28
De:
IP: 201.75.1.74

Atendendo a uma nova convocação

Caro amigo Marco Roberto,
eis-me aqui atendendo a mais um de teus chamados. É bom saber que voltaste com mil e um novidades. Andei sentindo falta de tuas  sábias palavras e teus contos de sonhos. Espero que desta vez, sua presença seja constante.
Abraços e sorte
Virginia    
30/12/2006 14:24
De: Sayonara
IP: 201.75.38.37, 201.75.38.37

"Os Eleitos dos Deuses Morrem Jovens"

Caro amigo Marco,
Li teu artigo e achei o comentário bastante oportuno. Tudo o que acontece, não só nestas plagas, acaba em tristeza e decepção. É horrivel ver a repetição de acontecimentos tão catastróficos, onde a barbárie é lugar comum. Doí-me ler e ouvir as noticias do dia a dia, tão destituidas de alegria e esperanças, já que forcejam em enfiar-nos goela abaixo a nossa patente incompetência, falo de nós todos; nós, como um só povo. Tenho evitado tais assuntos, mas não pude deixar de ler-te e solidarizar-me com as dores que, se não o são, deveriam ser de todos.
Um abraço  
14/01/2007 18:59
De: Palangu
IP: 200.222.158.7

Banquete cancelado

Não sei se mais algum dos que dos pixadores aqui deste paredão reparou mas o baquete de Trimalquião estava inacessível hj. Na sua url carregavam fotos, outros blogs, tudo menos o mencionado. Aconteceu a mais alguém? Sabotaram a festa, a terra esta dando exemplo de bom serviço ou será que um vírus sacana esta embaralhando uma única url aqui em casa? Justo essa?
24/04/2007 17:56
De: Joaquim Eugênio Borba Passos. (professormarcoroberto@uol.com.br)
IP: 10.0.0.70, 189.10.5.66

Saudamos a Ti, Caminhante Bem-Aventurado.

Galo, Amigalhão:
Como sabes, torto e estreito é o caminho que leva ao deleite, se entenderes que o paraíso de que fala o Cristo é o jardim das delícias imaginado por Bosch. Destarte, és um caminhante bem-aventurado, haja vista teres galgado mais de um "byte" até chegares à sombra do Muro.
Todos os meus eus saúdam-te e querem concertar contigo, encimados à alvenaria do Muro ou de qualquer arquitetura quimérica, galicínios que teçam aquelas manhãs fagueiras e prosaicas com que sonha Chico Buarque: "Eu faço samba e amor até mais tarde/Tenho muito sono de manhã"...
Um abraço de teu não menos amigalhão,
JEBP.
30/12/2006 15:28
De: Virgínia. (professormarcoroberto@hotmail.com)
IP: 10.0.0.70, 201.24.131.34

Não te Quero Triste Assim, Virgínia.

Virgínia:
Não te quero triste assim: por vezes, é verdade, ocorrem coisas que nos desafiam a paciência, e, atônitos, gritamos: "Meu Deus! Por quê?!". Bem, não sei a resposta a essa pergunta; creio que nunca ninguém a saiba, pelo menos não a contento. Todas as correntes filosóficas, teológicas e artísticas, penso, apenas nos convencem com ídéias bem boladas; mas não sabemos se são verdadeiras.
Contudo, se estamos num trem a caminho, irremediavelmente, de um precípicio (a morte), por que ficaríamos a lamentar? Apreciemos a paisagem, que é linda, cá no Norte do Brasil. Vem, senta-te aqui neste divâ, que reservei no melhor vagão. Há uns narguilês de prata ali, ao canto, se te aprouver. Não te quero triste assim: esse brilho lacrimal, em teus olhos, não me deixa ver direito a menina que trazes em cada órbita. Elas, que são meninas, hão de ser alegres e fagueiras: não as deixes assim, sob esses constantes ameaços de temporal.
Um afago imaginário, mas não menos verdadeiro, do teu,
Joaquim Eugênio Borba Passos. (É assim que me assinarei neste neste muro, fundindo, em mim, o Quincas e o Eugênio.)
21/04/2007 20:37
De: Joaquim Eugênio Borba Passos.
IP: 201.40.58.96

Em Nome do Filho.

Amigalhões:
Meu ortônimo, Marco Roberto, deixou-se inspirar por um de seus pseudônimos, o Quincas "Rocinante" Borba, e escreveu um artigo com aquele quê de irreverência por vós já conhecida em visita ao canil do Quincas ["Rua de Mata-Cavalos, na Mancha" (http://ms-albuquerque.zip.net/)]. Ide dar uma olhada na obra, chamada "A Alma do Negócio" ["Com Quantos Bê-Á-Bás se Faz um Blablablá" (http://professormarcoroberto.blog.uol.com.br)] e, se vos aprover, deixai as impressões de leitura cá, no Muro.
Esse artigo foi enviado para a equipe editorial da seção Opinião da versão virtual do jornal O Globo, aos cuidados do senhor César Baima. Entre outros empecilhos, o artigo apresenta uma dimensão por que se lhe pode, quiçá, obstar à publicação. Caso tal se dê, o autor forjará uma versão menos verborréica, ou lucubrará linhas menos prolixas sobre outro assunto, que remeta à dita seção.
De uma forma ou de outra, conquanto não se dê a conhecer. aos olhos da opinião pública, a versão original das razões de "A Alma do Negócio", não se vos privará a vista da curiosidade de ver, afinal, que negócio será esse de cuja alma se trata.  
Um abraço do amigalhão,
JEBP.
01/01/2007 12:06
De: Joaquim Eugênio Borba Passos. (professormarcoroberto@hotmail.com)
IP: 201.25.65.115

Lição de Arqueologia no Derradeiro Dia do Ano Passado.

Senhores:
Ontem, muito me emocionei. Estava eu, lá pelas tantas da manhã, a limar a versão definitiva de "A Confissão do Diabo", quando sobreveio a Araguaína um toró, como sói acontecer em Manaus. Como as descargas elétricas eram muitas, resolvi desligar o computador, para poupar o "no break", e fui para minha rede, a aguardar mitigar a fúria de Zeus.
Como a tempestade era mesmo torrencial, senti-me impelido a ir a um depósito onde minha avó empilha caixas de cacaréus, para certificar-me de que elas se não estavam molhando. Algumas, sim; aí fui remexê-las, acondicioná-las aqui e além, quando, de repente, um milagre. Em uma caixa, amontoados sem método nem zelo, todos os textos do Túlio, que o Virgílio, bondosamente, enviara-me. É que eu, tomado de delírios numa fase ruim de minha luta contra a depressão, suponho, devo tê-los jogado lá por alguma razão que só os alienados, em sua língua glossolálica, poderiam explicar.
Infelizmente, essa caixa, uma das que tinham contado direto com o piso, estava molhada. Durante toda a tarde de ontem, estive a enxugar, a ferro, uma a uma (!!!), as páginas de toda a obra das primícias de meus pseudônimos. Ao fim, organizei tudo em pastas, com o método e o zelo que lhes fora negado. Está quase tudo lá, pois o Virgílio, meu grande amigalhão, quando me enviara a obra completa, caprichara na completude: além de "As Flores do Mal" e "O Espelho", o grosso da obra, textos avulsos, produzidos aqui, em Araguaína, roteiros para quadrihos, artigos que o Senhor do Sonos compusera em Manaus e manuscritos. Está quase tudo borrado, mas enxuto e legível. Por enquanto, só dou falta da primeira página do roteiro de "Inquisição Falta". Quando eu terminar de digitar tudo (e a tarefa já se iniciará esta semana!), enviar-lhe-ei, ao Virgílio. para que esse grande amigalhão (não me canso de repeti-lo) confira tudo e veja se não falta nada.
Tão logo tenha dado cabo do conto de Natal do Eugênio, quero-me dedicar ao Túlio, meu filho pródigo, o qual, ao contrário daquele da parábola, não é o mais novo, e sim o mais velho. A exemplo do que fiz a seus dois irmão, presenteá-lo-ei com um "blog". Sei que a coisa parece resvalar para a pieguice; mas tendes de entender: Túlio foi a primeira personificação de minha (parca, claro) criatividade literária, e eu o julgava perdido. Agora, que meu filho, tido por morto, aparece no cenáculo e mostra-me a ferida dos cravos e o ferimento da lança, cuido ser justo dispensar-lhe priodadade.
Com esse espírito de reencontro e reconciliação entre passado e presente, é que vos desejo, a vós outros, um futuro nédio de pequenas alegrias tão intensamente sentidas como as que eu senti ontem, enxugando, paciente, página a página, o semblante de meu primogênito.
Que Janua, a deusa que preside os meses de janeiro, abra-vos uma porta larga que, ao contrário daquela de que fala o Cristo, não vos leve para o suplício infinito, mas para o deleite inacabado.
Saudações salomônicas, que Salomão quer dizer Pacífico, e hoje é Dia da Paz.
Joaquim Eugênio Borba Passos.
02/01/2007 10:25
De: Joaquim Eugênio Borba Passos. (professormarcoroberto@hotmail.com)
IP: 10.0.0.70, 201.24.131.34

Erratas à Lição de Anatomia.

Quando virdes "Senhor do Sono", lede "Senhor dos Sonhos".
Outra coisa: falta um conto do Senhor dos Sonhos, o Beijo, dedicado ao Mário. Peço, aos amigos-correspondente de mais longa data (Rôni, Virgílio, além do próprio Mário, a quem dedico o conto),  que me enviem uma cópia, para completar o florilégio.
JEBP.
02/01/2007 01:49
De: jjLeandro (jjleandro60@hotmail.com)
IP: 201.34.10.28

Espiando


Grande mestre!
Estou passando aqui, claro, com um pouco de atraso levando em conta a urgência com que me convocou. Mas, como diz o velho chavão, "antes tarde do que nunca". Espero que possamos, eu e os tantos outros que aqui viremos beber excelsas palavras na fonte inesgotável de sua sabedoria, aprender a cada dia mais e mais do que seja a vida e a literatura. Como dizem os entendidos e os próceres que admiramos nesse meio, nunca paramos de aprender; e este espaço intitulado "paredão", para mim é propriamente uma represa que retém sábios ensinamentos e os canaliza iluminando todos nós com muitas idéias.
Um grande abraço.
03/01/2007 10:08
De: Heliamar Marques Rosa Brito
IP: 201.10.165.109

FELICITAÇÕES

Professor Marco Roberto, lí todos os seus textos, confesso-lhe que ~fico confusa com tantos personagens, mas repito a você caro amigo que o maior Mestre é Jesus Cristo de Nazaré, não se deixe levar por outros deuses, ouça a voz da verdade, saiba que o amo muito. Beijos
27/04/2007 23:31
De: Joaquim Eugênio Borba Passos. (professormarcoroberto@uol.com.br)
IP: 201.24.167.29

Um Convite para o Senhor Tadeu Sarmento.

Cavalheiro:
Convido-vos a conhecer-me as muitas faces das garatujas. Eis os endereços de meus diferentes eus:
1) "Rua de Mata-Cavalos, na Mancha", do meu pseudônimo Quincas "Rocinante" Borba (http://ms-albuquerque.zip.net);
2) "Uma Bacanal em Cafarnaum", do meu pseudônimo Eugênio Passos (http://professormarcoroberto.blog.terra.com.br);
3) "Com Quantos Bê-Á-Bás se Faz um Blablablá", do meu ortônimo Marco Roberto (http://professormarcoroberto.blog.uol.com.br).
Se me derdes o prazer de semelhante périplo, dai-me mais um: deixai-me, neste muro, uma pichação que dê conta de vossas impressões de leitura.
Com a esperança de ter-vos na conta de leitor e, quiçá, de correspondente, JEBP.  
Seu IP: 3.90.108.129 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)